O fim do Flash Player: os seus cursos on-line já foram convertidos?

Já sabíamos, há um bom tempo, que o fim do Flash Player seria inevitável. Foi mais especificamente na metade de julho de 2017, que a Adobe anunciou oficialmente que seu famoso plugin de mídia, finalmente, deixaria de ser atualizado, ou seja, seria descontinuado.

Na época a Adobe afirmou que o fim do Flash aconteceria no final de 2020. Pois bem, o tempo passa rápido e estamos quase lá. Durante esse período nós vimos o amadurecimento gradual de padrões como o HTML5, WebGL e WebAssembly como alternativas viáveis para substituição.

Por muitos anos o Flash foi amplamente utilizado para a produção de animações, vídeos, jogos e cursos on-line. Por isso, muitas organizações já se movimentaram nos últimos anos para migrar conteúdos em Flash para outros formatos.

E na sua organização, os cursos online em Flash já foram todos convertidos?

Atualmente, ter cursos em Flash já é um grande problema, porque praticamente todos os navegadores não executam mais, integralmente, conteúdos nesse formato sem que permissões excepcionais sejam aplicadas.

Pois bem, a boa notícia é que a conversão dos cursos é algo possível, apesar de não ser um procedimento automático. Normalmente um curso em Flash será convertido para HTML5 e essa conversão depende de ajustes, que precisam ser aplicados nas telas por um profissional especializado.

Isso ocorre, em virtude da necessidade de ajustes visuais e de programação quando o curso é adaptado para a nova versão em HTML. Em alguns casos, inclusive, pode ser interessante pensar em uma simplificação ou mudança de formato, o que pode significar ir um pouco além de uma simples conversão.

Também pode acontecer de nos depararmos com situações em que é mais fácil reconstruir o curso do zero em HTML ou outra linguagem, do que tentar convertê-lo a partir dos arquivos em Flash já existentes.

Isso traz à tona um ponto muito importante para ser abordado: para pensarmos em conversão nós precisamos necessariamente dos arquivos de edição em Flash, ou seja, dos arquivos-fonte. Somente com eles em mãos torna-se possível pensar em conversão. Sem os arquivos editáveis, o único processo possível é o de reconstrução, mesmo que estejamos baseados em curso Flash já existente.

Caso você possua cursos em Flash, que precisem ser convertidos ou reconstruídos e necessite de um apoio para que isso aconteça, faça contato com a nossa equipe e poderemos ajudá-lo nesse desafio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *