Como os simuladores 3D podem revolucionar os seus treinamentos

A revolução digital em curso tem provocado uma crescente adoção de diversos tipos de tecnologias por empresas, visando suportar o trabalho remoto e a capacitação on-line de suas equipes.

Dentro dessa visão, um formato ainda pouco conhecido e aplicado se destaca como uma excelente opção para organizações, cujos desafios exijam a formação e até mesmo o suporte de profissionais com alta especialização técnica.

Trata-se da adoção da tecnologia 3D aplicada no desenvolvimento de simuladores, comumente chamados de “simuladores 3D”. Esse formato pode ser aplicado em inúmeras iniciativas, abaixo destacamos algumas delas para exemplificar:

  • Treinamentos técnicos sobre produtos e equipamentos;
  • Capacitação para equipes de manutenção;
  • Suporte ao desempenho para profissionais de assistência técnica;
  • Apoio para profissionais de vendas técnicas;
  • Dentre muitas outras.

3D é um recurso tecnológico, que permite visualizar um ambiente ou objeto qualquer de forma realística. Se pensarmos em um ambiente, imagine a possibilidade de explorá-lo, ou seja, andar por ele. Isso pode ser ainda mais impactante, se ocorrer por meio de um par de óculos de Realidade Virtual (RV), que reforçará a sensação de imersão completa nesse ambiente virtual, apresentado em terceira dimensão (3D).

Neste exemplo, além de explorar o ambiente virtual o colaborador também poderá encontrar pontos de interação onde deverá, de alguma maneira, desempenhar ações ou tomar decisões, diante de desafios que lhe sejam apresentados. Tal situação descreve um exemplo simples de aplicação do 3D como um simulador.

Podemos pensar de forma mais simples, se precisarmos somente ensinar operações ou atividades técnicas sobre um produto ou equipamento. Aqui não precisaremos do ambiente virtual, mas somente de uma modelagem 3D do equipamento ou produto, que será o objeto de estudo.

Imagine entregar para a sua equipe técnica um objeto virtual que possa ser explorado por meio de um computador, tablet ou smartphone e que simule a operação de um equipamento real. O colaborador poderá girar a imagem do produto, aproximá-la ou afastá-la (zoom), interagir com botões, chaves, peças ou outras partes, desempenhar ações de montagem ou desmontagem, dentre outras interações básicas.

É possível pensar nesta simulação de forma ainda mais avançada e aplicar um filtro de raios-x no objeto, que permitirá ao usuário (o colaborador que está sendo treinado) visualizar componentes e partes internas do equipamento, inclusive simulando a operação do mesmo em pleno funcionamento, algo que nem sempre é possível no treinamento presencial dependendo do tipo de equipamento (dificuldade ou custo de transporte, por exemplo).

Para exemplificar, vamos considerar um simulador 3D que explica o funcionamento de um motor de combustão. O colaborador pode executar esse simulador a partir de um aplicativo instalado em um tablet e visualizar na tela um menu de opções, que o guiem na exploração virtual do motor.

Ele pode ligar o motor e aplicar um filtro raios-x para observar seu funcionamento interno, o fluxo do combustível, o funcionamento dos pistões, a liberação de gases e assim por diante.

Depois, ele poderia, por exemplo, optar por desmembrar o motor em partes para visualizar os seus diferentes componentes e explorá-los separadamente como se estivesse segurando cada um deles em suas mãos.

Esse mesmo tipo de abordagem pode ser adaptado para apoiar equipes de vendas técnicas. É possível desenvolver um simulador 3D que ajude os vendedores a explicar para potenciais clientes o funcionamento e os diferenciais de um produto ou equipamento. Além de argumentar, o vendedor poderá mostrar o funcionamento ou até mesmo entregar o simulador na mão do cliente, para que este possa explorar o conteúdo apresentado com o recurso 3D e familiarizar-se com o produto.

Talvez você imagine que esse tipo de recurso tecnológico esteja muito distante da realidade orçamentária de sua organização ou pense que possa ser uma tecnologia muito complexa, para ser operacionalizada pelo seu público (colaboradores). Essa é uma impressão normal quando estamos diante de soluções inovadoras, mas de fato, ela pode ser bem mais simples de implementar e custar bem menos do que você imagina.

Isso porque hoje existem ferramentas, que garantem elevada produtividade para quem desenvolve esse tipo de projeto. Aliando esse fato à tendência de popularização do formato a tendência é que os custos tornem-se cada vez menores, então pode ser que esse tipo de aplicação já se enquadre à sua realidade.

Se quiser saber mais ou conhecer exemplos de projetos que já implementamos, faça contato com a nossa equipe. Estamos à disposição para conhecer e conversar mais sobre os seus desafios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *