E depois da pandemia, vamos continuar com o e-Learning?

“O ano era 2020 e de repente a pandemia se abateu sobre o planeta…”

Esse bem poderia ser o início de um romance trágico sobre o início de um momento apocalíptico, se não tivesse acontecido de verdade.

Pois bem, a Covid-19 chegou com proporções pandêmicas, obrigando todos a seguir por caminhos e a tomar atitudes e ações para as quais ninguém estava, verdadeiramente, preparado.

Além das mudanças de comportamento individuais, as organizações precisaram agir rapidamente, pois além do risco da inatividade imposta pelo risco de contaminação do vírus ora presente, ocorre também o risco do colapso econômico.

De alguma forma, as empresas precisavam reinventar antigas ações, bem como aprender rapidamente novos comportamentos, para tentar passar pela crise sanitária da melhor maneira possível.

Mas reinventar e aprender como? Sem a possibilidade de reunir as pessoas em salas de aula, por conta dos riscos de contágio, para ensinar coisas novas e outros aprendizados que ocorreriam para muitas organizações de maneira presencial. E mais, em um curto espaço de tempo.

Entretanto havia uma saída já aplicada em muitos casos: o e-Learning. Vamos alcançar as pessoas, os funcionários, colaboradores, prepostos e em alguns casos até clientes, via Internet.

Então, organizações que tinham ideias e projetos de e-Learning para suas ações de educação corporativa, mais para o futuro e em, digamos, “marcha lenta”, resolveram tirar os projetos das gavetas e acelerar as coisas.

Até mesmo quem não tinha nem pensado ou não pretendia aderir ao e-Learning começou a pesquisar sobre o tema e a ordem aos departamentos de RH, T&D, educação corporativa e em alguns casos até a departamentos de marketing e TI foi: “Precisamos migrar nossos treinamentos para e-Learning!”

E uma corrida atrás de plataformas LMS, ferramentas de autoria, desenvolvedores de cursos on-line, consultores em educação corporativa, entre outros profissionais iniciou-se.

É claro que na ânsia de resolver o mais rapidamente possível o problema que estava presente, algumas decisões equivocadas podem ter sido tomadas, pela simples falta de experiência e vivência em processos e tecnologias de aprendizagem on-line.

Alguns ainda pensavam que o aprendizado a distância, pela Internet, só poderia ocorrer através de webconferences, de maneira síncrona (ao vivo). Mas como para tudo nesta vida há solução, as coisas foram se ajeitando e apesar das dificuldades financeiras momentâneas pelas quais algumas empresas passam, o e-Learning passou a fazer parte do cotidiano da maioria.

Expressões como: LMS, Ferramentas de Autoria, Learning games, videoaulas, etc., já não são mais ouvidas com ares de estranhamento pelos profissionais de RH, T&D e até pelos empresários mais conservadores.

O momento atual

“Depois da tempestade, vem a calmaria”, diriam alguns, ao tentar descrever o momento atual, quer dizer, passada a euforia inicial da busca acelerada por soluções educacionais corporativas, que preenchessem lacunas existentes e que pudessem atualizar rapidamente colaboradores e outros públicos de interesse das empresas, tudo se ajeitou.

Já passamos por muitos meses em condições e contexto de pandemia e todos já estão devidamente adaptados e sabem, absolutamente, aproveitar os benefícios do e-Learning. E depois que tudo isso passar (com todos vacinados) poderemos “voltar ao normal” e retomar as atividades de modo tradicional, como fazíamos antes, certo?

Não! A resposta certamente é um definitivo não!

Primeiro ponto: não se consegue aprender o máximo sobre técnicas, tecnologias e ações, em apenas um ano, que foram desenvolvidas ao longo de, pelo menos duas ou três décadas. Ainda há muito o que aprender e apreender sobre as possibilidades e benefícios do e-Learning e os profissionais e as empresas (sim, as empresas) precisam continuar aplicando e aprendendo sobre conceitos e práticas a que foram recente e abruptamente apresentados.

Continuar estudando e aplicando as tecnologias e soluções digitais diversas é fundamental. Vamos aproveitar o “start” que foi dado com o triste advento da Covid-19. A manutenção das relações com seus consultores, desenvolvedores de conteúdos e fornecedores de soluções digitais. Continuar aprendendo, tanto para completar o que ainda não deu tempo de ver quanto para acompanhar as evoluções conceituais e tecnológicas que continuam acontecendo.

Além disso, convém lembrar que ações educacionais por meio do e-Learning podem reduzir significativamente seus custos de treinamento (se você ainda não fez essa conta, é mais um assunto pra tratar com um especialista no assunto).

Ponto número dois: “Voltar ao normal” e retomar as atividades de modo tradicional? Isso significa andar para trás! E pior, andar para trás e fechar os olhos para possibilidades de ocorrências futuras.

“Aquele que não aprende com os erros de sua história está fadado a repeti-los!”

Mas fazer o quê para o futuro, então?

Muitas empresas ainda estão se recuperando economicamente do impacto causado pela pandemia. Compreendemos que não existem condições de investimento pleno em educação corporativa, para muitas organizações. Porém, não haver condições para o máximo em investimento, não quer dizer que devamos abandonar nossos projetos e ações.

A ideia é manter viva as iniciativas de e-Learning, até porque elas podem ajudá-lo a economizar em seus planos de treinamento e educacionais (converse com especialistas sobre isso).

“Ah! Mas não dá pra gastar o que eu gostaria num curso, num “learning game” interessante ou coisa do tipo. A crise limitou nossos recursos.”

Lembre-se: o ótimo é inimigo do bom!

Converse com um especialista em desenvolvimento de conteúdos educacionais digitais, ele pode levar até você alternativas viáveis, que poderão mantê-lo no “jogo” e prepará-lo para um futuro, quando a situação melhoras.

Por exemplo: posso não conseguir, agora, fazer um game cheio de recursos interativos e engajadores, mas quero fazer algo…de repente um quiz, associado ao seu LMS, que talvez tenha possibilidades de gerenciamento gamificado, possa custar menos da metade do game sonhado e manter os seus colaboradores engajados, participativos, motivados e aprendendo sempre, enriquecendo a bagagem de conhecimento da sua empresa.

Além disso tudo, sua organização ainda estará preparada para alguma eventual situação adversa, similar à pandemia atual ou crítica por qualquer outro motivo. É necessário evitar o erro de negligenciar ou “deixar pra depois”, como fizemos anteriormente. Aprendamos com os erros da história, de nossa própria história.

O importante é saber que você não pode parar agora! Se precisar e ajuda ou orientação, mande um e-mail ou whatsapp pra gente! Vamos conversar sobre os seus desafios!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *